As marcas devem se posicionar?


Segundo uma publicação do perfil @ofuturodascoisas que apresenta uma pesquisa da Accenture, a Consumer Pulse Survey 2019, onde os números revelam que o consumidor prefere comprar de empresas que possuem um propósito alinhados ao dele, fica claro entre números e comentários de pesquisadores políticos e sociais que o consumidor é cada vez mais exigente no posicionamento de uma marca.

O ano de 2020 tem colocado em evidência conflitos políticos, ideológicos e sociais e o cenário pandêmico além de refletir a desigualdade social que assola todo o globo mostrou também que a população não mede esforços e nem o risco de ser infectado pelo coronavírus quando vai para as ruas protestar por justiça social e igualdade de direitos.

Toda essa energia é usada como propósito de vida e vai além do ato de protesto ou publicações de conscientização nas redes sociais, ela significa ação, agir com responsabilidade e não consumir daquelas que não possuem compromisso com a sociedade  e assegure os 30 artigos da declaração dos direitos humanos.

Hoje dificilmente uma marca terá reconhecimento se não estiver vinculada ao ambiente em que vive respeitando toda a cadeia ao seu redor. Talvez ainda seja cedo para que o consumo responsável seja uma realidade para todos, mas cada vez mais esse é o caminho recomendado para o sucesso longevo de uma empresa.

Os consumidores esperam um posicionamento das marcas. Em um relatório da Kantar analisado pelo veículo Meio e Mensagem mostra que dos 25 mil entrevistados de 30 mercados, 75% dos consumidores acreditam que as marcas devem informar o público sobre seus esforços no meio da crise econômica, social e sanitária. Ou seja, eles querem que as marcas adotem um posicionamento que impacte a sociedade de forma positiva.

Então quer dizer que as marcas precisam se posicionar sobre assuntos atuais, e por vezes polêmicos?

Atualmente a neutralidade soa estranho.

O mundo e as ideias evoluem, e cada vez mais o diálogo entre marcas e consumidor precisa existir.

Na HI-LO não nos limitamos a nenhum tema, acreditamos na essência da humanidade, principalmente da mulher, que ao longo da história sofreu imposições e ocupava um papel com direitos limitados, e que hoje contestamos e questionamos o que foi estabelecido um dia.

No que diz respeito às marcas e influenciadores que você consome, é de extrema importância você ter princípios alinhados com a pessoa que você vê no Instagram diariamente, é com ela que você compartilha seu dia a dia e disponibiliza o seu tempo para ouvi-la. 

Quais são as marcas que vocês não consumiam e começaram a consumir depois de um posicionamento alinhado com seus valores?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *